Insetos voadores

Insetos Voadores:

A quantidade de insetos num país de  climas tropical como o nosso é muito grande. Por isso, fazer o controle de insetos é fundamental.

Moscas

É uma ordem dos insetos caracterizada pelo tamanho reduzido das asas traseiras e pela proeminência das asas dianteiras. O grupo tem cerca de 150 mil espécies descritas em todo o mundo. Os representantes de Diptera habitam quase todos os lugares.

Distinguem-se dos outros insetos alados por possuir somente um par de asas, correspondente ao par anterior, transformando-se o par posterior em pequenas estruturas clavadas denominadas halteres, que funcionam como órgãos de equilíbrio

Prevenção

  • Colocação de telas em portas e janelas
  • Manter o lixo em sacos plásticos ou latas de lixo bem fechadas e sempre limpas
  • Manter os alimentos em recipientes tampados
  • Remover fezes de animais
  • Implantação de esgoto com estações sanitárias

Métodos de controle

Podem ser aplicados produtos químicos, fazendo-se pulverizações de poder residual e utilizando-se aerossóis dentro de residências. São utilizadas também, iscas com poder residual, que possuem um atrativo na sua calda. A impregnação de cordões é feita mergulhando-se os fios na calda inseticida e a seguir são esticados e deixados nos estábulos, celeiros, aviários, etc.

As iscas envenenadas são granuladas e possuem um feromônio em sua composição. Podem reduzir a população de moscas em poucas horas, todavia tem curta duração. São utilizados ainda métodos como o tratamento de ração, armadilhas especiais: luminosas, pega-mosca, botijões plásticos, palmatória, garrafas pega-moscas, espirais, saquinhos plásticos com água, placas fumigantes, vela com citronela, etc.

Mosquitos – Pernilongos

Principais transmissores de agentes causadores de: Dengue, Febre Chikungunya, Febre Amarela, Febre Zika, Filariose, entre outras. São espécies muito bem adaptadas às áreas urbanas e usam recipientes artificiais que acumulam água como criadouros. No Brasil, as principais espécies de mosquito são Culex quinquefasciatus e Aedes aegypti.

Mosquito da dengue – Aedes aegypti:

Adulto escuro, rajado de branco, com manchas prateadas nas regiões laterais do tórax e abdome e com um desenho branco em forma de lira no escudo. Suas pernas são escuras com anéis brancos. As fêmeas atacam durante o dia, com maior intensidade ao amanhecer e no início do crepúsculo.

O período de incubação dos ovos é de 2 a 3 dias. O desenvolvimento entre ovo e adulto se dá de 7 a 10 dias. Além do incômodo causado, é vetor da febre amarela urbana e dengue.

Pernilongo – Culex quinquefasciatus:

Adultos de coloração marrom escura ou clara, asas com escamas escuras. As larvas são aquáticas e apresentam sifão respiratório, que serve para obter o ar na superfície, e posicionam-se perpendicularmente à água, o que as diferencia dos demais gêneros. Se desenvolvem durante o ano todo.

Mosquito tigre asiático – Aedes albopictus:

Semelhante ao A. aegypti, diferenciando-se no desenho do escudo, tendo esta espécie somente uma faixa longitudinal de escamas prateadas. As fêmeas picam preferencialmente ao amanhecer e crepúsculo do dia.

No Brasil ainda não foi incriminado como vetor da dengue e outros arbovírus, mas pode se tornar uma ponte entre os ciclos silvestres e urbano de febre amarela.

Mosquito-prego ou muriçoca – Anopheles darlingi:

Apresenta asas cobertas por escamas de cores claras e escuras que lhe dá um aspecto manchado e seu corpo mede menos de 1 cm de comprimento. Têm hábitos crepusculares e noturnos e preferem lugares quentes e úmidos.

Na época das chuvas, forma novos criadouros nos alagadiços, escavações e depressões de terreno. Esse mosquito é o agente transmissor da malária.

Medidas preventivas e corretivas

No controle de insetos alados, é de vital importância, ou seja, instalação de telas, manutenção adequada da rede de coletas de água para evitar empoçamento, jardins bem ventilados e bem podados, entre outros a serem adotados durante o processo de controle.

Identificação e eliminação de criadouros

  • Inspecionar e não deixar acumular água em objetos como vasos, baldes e outros;
  • Monitorar água parada como em poças, canais e redes de esgoto;
  • Limpar piscinas, calhas de água e tampar com apóstrofo: caixas-d’água;
  • Remover entulhos que possam acumular água.

Reduzir chances de picada

  •  Utilizar barreiras físicas com telas em janelas e portas.
  • O uso de repelente é indispensável.

Controle Integrado

Uma estratégia de controle eficaz considera as fases larvais e adultas. Estima-se que 80% da infestação está no ambiente sob forma imatura.

Método de controle para insetos voadores

Micro pulverização líquida:

Aspersão de inseticida emulsionado em solução aquosa em UBV, Ultrabaixo Volume aplicado com equipamentos elétricos ou a combustão em todas áreas externas, internas, jardins e pontos de foc e proliferação, empoçamento de água, etc.

A aplicação neste método além de ter forte efeito de morte imediata “Knockdow” ajuda no efeito residual.

Termo nebulização:

Aplicação de inseticida solubilizado em solventes orgânicos, mas no estado de névoa fina (fumaça), com efeito, de knockdown (choque) e desalojante, atuando por contato quando já condensado e aspiração ainda no estado de névoa. A aplicação destina-se depósitos em geral muito carregados onde o acesso líquido torne-se difícil, ou como complemento e coadjuvante em diversos tipos de controle, principalmente em áreas externas, redes de esgotos e depósitos fechados.

Larvicida: Grânulos efervecentes que podem ser aplicados em recipientes/ reservatórios, tais como vasos, pneus, calhas, caixas-d’água e contêineres.